top of page

Testes Psicológicos para auxiliar no diagnóstico do TEA

Atualizado: 19 de set. de 2023



O que é o Transtorno de Espectro Autista (TEA)?

De acordo com o DSM-5, o TEA é caracterizado por déficits persistentes na comunicação e interação social, juntamente com padrões restritos e repetitivos de comportamento, interesses ou atividades. Esses sintomas devem estar presentes desde a infância e causar prejuízo significativo no funcionamento diário. Evidências científicas apontam que é causado por uma interação de fatores genéticos e ambientais.

O transtorno do espectro autista é diagnosticado de três a quatro vezes mais frequente no sexo masculino do que no feminino e em media, a idade em que a pessoa é diagnosticada é mais tardia para o sexo feminino.


Níveis de gravidade para o transtorno do espectro autista:

  • Nível 1 "exigindo apoio":

Na ausência de apoio, déficits na comunicação social causam prejuízos notáveis. Dificuldade para iniciar interações sociais e exemplos claros de respostas atípicas ou sem sucesso a aberturas sociais do outros. Pode parecer apresentar interesse reduzido por interação social. Por exemplo, uma pessoa que consegue falar frases completas e envolver-se na comunicação, embora apresente falhas na conversação com os outros e cujas tentativas de fazer amizades são estranhas e comumente malsucedidas.

Inflexibilidade de comportamento causa interferência significativa no funcionamento em um ou mais contextos. Dificuldade em trocar de atividade. Problemas para organização e planejamento são obstáculos a independência.


  • Nível 2 "exigindo apoio substancial":

Déficits graves nas habilidades de comunicação social verbal e não verbal; prejuízos sociais aparentes mesmo na presença de apoio; limitação em dar inicio a interações sociais e resposta reduzida ou anormal a aberturas simples que partem de outros. Por exemplo, uma pessoa que fala frases simples, cuja interação social se limita a interesses especiais reduzidos e que apresenta comunicação não verbal acentuadamente estranha.

Inflexibilidade do comportamento, dificuldade de lidar com a mudança ou outros comportamentos restritos/repetitivos aparecem com frequência suficiente para serem óbvios ao observador casual e interferem no funcionamento em uma variedade de contextos. Sofrimento e/ou dificuldade de mudar o foco ou ações.


  • Nível 3 "exigindo apoio muito substancial":

Déficits graves nas habilidades de comunicação social verbal e não verbal causam prejuízos graves de funcionamento, grande limitação em dar início a interações sociais e resposta mínima a aberturas sociais que partem de outros. Por exemplo, uma pessoa com fala inteligível de poucas palavras que raramente inicia as interações e, quando o faz, tem abordagens incomuns apenas para satisfazer a necessidades e reage somente a abordagens sociais muito diretas.

Inflexibilidade de comportamento, extrema dificuldade em lidar com a mudança ou outros comportamentos restritos/repetitivos interferem acentuadamente no funcionamento em todas as esferas. Grande sofrimento/ dificuldade para mudar o foco ou as ações.



Alguns dos sintomas do TEA são:

  • Déficits persistentes na comunicação;

  • Padrões restritos e repetitivos de comportamento, interesses ou atividades;

  • Sintomas causam prejuízo clinicamente significativo no funcionamento social, profissional ou em outra área importante da vida do individuo;

*Consulte o DSM-5 Texto Revisado.

*Não se autodiagnostique.


Os primeiros sintomas do transtorno do espectro autista frequentemente envolvem atraso no desenvolvimento da linguagem, em geral acompanhado por ausência de interesse social ou interações sociais incomuns (p. ex., puxar as pessoas pela mão sem nenhuma tentativa de olhar para elas), padrões estranhos de brincadeiras (p. ex., carregar brinquedos, mas nunca brincar com eles) e padrões incomuns de comunicação (p. ex., conhecer o alfabeto, mas não responder ao próprio nome). Um diagnóstico de surdez é geralmente considerado, mas costuma ser descartado. Durante o segundo ano, comportamentos estranhos e repetitivos e ausência de brincadeiras típicas tornam-se mais evidentes. Uma vez que muitas crianças pequenas com desenvolvimento normal têm fortes preferências e gostam de repetição (p. ex., ingerir os mesmos alimentos, assistir muitas vezes ao mesmo filme), em pré-escolares pode ser difícil distinguir padrões restritos e repetitivos de comportamentos diagnósticos do transtorno do espectro autista. A distinção clínica baseia-se no tipo, na frequência e na intensidade do comportamento (p. ex., uma criança que diariamente alinha os objetos durante horas e sofre bastante quando algum deles é movimentado).


O transtorno do espectro autista não é um transtorno degenerativo, sendo comum que aprendizagem e compensação continuem a longo da vida. Os sintomas são frequentemente mais acentuados na primeira infância e nos primeiros anos da vida escolar, com ganhos no desenvolvimento sendo frequentes no fim da infância pelo menos em certas áreas (p. ex., aumento no interesse por interações sociais). Uma pequena proporção de individuo presenta deterioração comportamental na adolescência, enquanto a maioria dos outros melhora.


Antigamente apenas uma minoria entre os indivíduos com transtorno do espectro autista vivia e trabalhava de forma independente na idade adulta, mas, atualmente, conforme o diagnóstico de transtorno do espectro autista é feito com mais frequência naqueles com habilidades intelectuais e de linguagem superiores, mais indivíduos estão sendo capazes de encontrar um nicho que combina com seus interesses especiais e habilidades e, portanto, mais indivíduos estão produtivamente empregados. O acesso a serviços de reabilitação vocacional melhora significativamente os resultados de ocupação competitiva de empregos para jovens em idade de transição com transtorno do espectro autista.

 

Testes Psicológicos que podem ser usados no processo de diagnóstico de TEA:


WISC-IV - Escala Wechsler de Inteligência para Crianças

RESTRITO A PSICÓLOGOS

Público-alvo: Crianças de 6 a 16 anos.

Aplicação: Individual.

Forma de coleta de dados: Aplicação individual. Geralmente é feito em 2 ou 3 sessões.

A Escala De Inteligência Wechsler Para Crianças - WISC-IV é um teste padrão ouro no desenvolvimento psicometrico e é composto por 15 subtestes, sendo 10 principais e 5 suplementares, e dispõe de quatro índices, a saber:

  • Índice de Compreensão Verbal,

  • Índice de Organização Perceptual,

  • Índice de Memória Operacional e

  • Índice de Velocidade de Processamento, além do QI Total.

Conheça mais sobre o teste abaixo:

 

SRS-2 - Escala de Responsividade Social

NÃO-RESTRITO

Público-alvo: A partir de 2 anos e meio, adolescentes e adultos.

Aplicação: Individual e Coletivo.

A SRS-2 é uma escala destinada a mensurar sintomas associados ao Transtorno do Espectro Autista (TEA), bem como a classificá-los em níveis leves, moderados ou severos. Sua avaliação se faz de forma global e espefícica, já que agrupa os sintomas em subcategorias (Escalas Compatíveis ao DSM-5 e Subescalas de Intervenção).

Conheça mais sobre o teste abaixo:

 

BAYLEY-III - ESCALA DE DESENVOLVIMENTO DO BEBÊ E DA CRIANÇA PEQUENA

NÃO-RESTRITO

Público-alvo: Bebês e crianças pequenas, de 1 a 42 meses de idade.

Aplicação: Individual.

Forma de coleta de dados: observação da interação da criança com objetos e relato dos pais/cuidadores.

O Bayley III é um instrumento que avalia o funcionamento do desenvolvimento de bebês e crianças pequenas. Avalia cinco domínios:

  • Cognitivo;

  • Linguagem;

  • Motor (avaliados a partir da interação da criança com objetos);

  • Socioemocional e

  • Comportamento adaptativo (com relato dos pais/cuidadores).

Serve para identificar atrasos no desenvolvimento e providenciar informações para o planejamento de intervenções.

Conheça mais sobre o teste abaixo:

 

DENVER-II

NÃO-RESTRITO

Público-alvo: Crianças de 0 a 6 anos.

Aplicação: Individual.

Forma de coleta de dados: Observação da interação da criança com objetos e relato dos pais/cuidadores.

É um teste de triagem do desenvolvimento, que considera as seguintes áreas:

  • Pessoal,

  • Social,

  • Motricidade fina adaptativa,

  • Linguagem e

  • Motricidade grossa.

Pode ser também usado para identificar mudanças no escore ou padrões ao decorrer do tempo, sendo primeiro interpretados os itens individuais e depois o teste inteiro. Utiliza observação da interação da criança com objetos e o relato dos pais para avaliação.

Conheça mais sobre o teste abaixo:

 

NEPSY-II

RESTRITO A PSICÓLOGOS

Público-alvo: Crianças de 3 a 16 anos.

Aplicação: Individual ou Coletivo.

Forma de coleta de dados: Observação da interação da criança com objetos e aplicação de testes com a própria.

O NEPSY-II é uma bateria neuropsicológica que avalia o desenvolvimento neuropsicológico de crianças de 3 a 16 anos. O teste fornece medidas de:

  • Sensório-motor,

  • Linguagem,

  • Processamento visuoespacial,

  • Memória e aprendizagem,

  • Atenção/funções executivas e

  • Percepção social.

É a bateria neuropsicológica de maior abrangência cognitiva e de faixa etária da infância e adolescência.

Conheça mais sobre o teste no link abaixo:

 

NEUPSILIN INFANTIL - INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA BREVE DE CRIANÇAS

RESTRITO A PSICÓLOGOS

Público-alvo: Crianças de 6 a 12 anos.

Aplicação: Individual.

Forma de coleta de dados: aplicação de testes com a própria criança.

Trata-se de um instrumento neuropsicológico breve que avalia componentes de oito funções neuropsicológicas, por meio de 26 subtestes:

  • orientação,

  • atenção,

  • percepção visual,

  • memórias (de trabalho, episódica, semântica),

  • habilidades aritméticas,

  • linguagem oral e escrita,

  • habilidades visuoconstrutivas e

  • funções executivas.

O NEUPSILIN-Inf permite aos profissionais dimensionarem não só a avaliação e o diagnóstico, mas também o prognóstico e o delineamento terapêutico.

Conheça mais sobre o teste abaixo:

 

PROTEA-R

NÃO-RESTRITO

Público-alvo: Crianças de 24 a 60 meses (de 2 a 5 anos)

Aplicação: Individual.

Forma de coleta de dados: Entrevista com os pais/cuidadores e observação da criança em brincadeiras preestabelecidas.

Instrumento interdisciplinar que sistematiza as entrevistas com os responsáveis e a observação clínica do desenvolvimento infantil, através de situações semiestruturadas de brincadeira, com o objetivo de rastreamento da presença de comportamentos inerentes à sintomatologia do Transtorno do Espectro Autista (TEA).

Conheça mais sobre o teste no link abaixo:

 

SON-R 2 ½-7

RESTRITO A PSICÓLOGOS

Público-alvo: Crianças de dois anos e 6 meses até os sete anos e 11 meses.

Aplicação: Individual.

Forma de coleta de dados: Aplicado com a própria criança.

O SON-R 2 ½-7 [a] é um instrumento não verbal para avaliação da inteligência geral. Seu objetivo é a avaliação geral do desenvolvimento e das habilidades cognitivas, através de quatro subtestes (mosaicos, categorias, situações e padrões), que avaliam habilidades espaciais e viso-motoras e raciocínio abstrato e concreto.

Conheça mais sobre o teste abaixo:

 

Time-R

RESTRITO A PSICÓLOGOS

Público-alvo: Crianças de 3 a 6 anos.

Aplicação: Individual ou Coletivo.

Forma de coleta de dados: Aplicado com a própria criança.

O teste Infantil de memória é um instrumento que avalia os processos subjacentes à memória de curto prazo, especialmente os seus componentes fonológicos e visuoespaciais, utilizando 6 subtestes que apresentam sequências que variam na quantidade de estímulos que devem ser memorizados pelo examinado.

Conheça mais sobre o teste abaixo:

 

VINELAND 3 - Escalas de Comportamento Adaptativo Vineland

NÃO-RESTRITO

Público-alvo: Desde o nascimento até os 90 anos.

Aplicação: Individual.

Forma de coleta de dados: Entrevista com pais/cuidadores e/ou professores.

Consiste em uma entrevista semiestruturada em formato de questionário. Associado a testes de inteligência, fornece dados críticos que ajudam no diagnóstico de deficiências intelectuais e de desenvolvimento, além de apoiar a elaboração de planos educacionais e de intervenção com informações valiosas.

Conheça mais sobre o teste abaixo:

 

WNV - Escala Wechsler não verbal de inteligência

NÃO-RESTRITO

Público-alvo: De 4 a 21 anos.

Aplicação: Individual e Coletivo.

A Escala Wechsler Não Verbal de Inteligência (WNV) é um teste psicológico que avalia de modo não-verbal a capacidade intelectual. Possui 6 tipos de subtestes diferentes os quais na aplicação completa são aplicados 4 tipos de subteste para cada faixa etária específica (4 aos 7 anos e 11 meses ou 8 aos 21 anos e 11 meses).

Conheça mais sobre o teste abaixo:

 

AVISO IMPORTANTE

  1. NENHUM TESTE É RESPONSÁVEL POR DIAGNOSTICAR UM TRANSTORNO. O diagnóstico tem que ser estruturado por um raciocínio clínico e de uma avaliação completa - que inclua entrevistas, observação, teste, entre outros processos.

 

REFERÊNCIAS

Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.



20.493 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page